Jovens mostram, na prática, a importância da guarda do sábado

São Paulo, SP … [ASN] Carla Abreu, líder de Liberdade Religiosa na Igreja Adventista da Lapa, em São Paulo, cursou Direito e mesmo estudando em uma faculdade não adventista, sempre conseguiu ser fiel a Deus na guarda do sábado. O entendimento bíblico adventista sobre o sábado é de que se trata de um dia de descanso das atividades rotineiras, voltado exclusivamente para as ações relacionadas à adoração e ao serviço para Deus. Em 2005, quando terminou o curso e iria se formar, Carla teve complicações por recusa da reitoria da Universidade em reconhecer a prestação alternativa, que vinha sendo aceita até então, para abono de faltas e por isso não recebeu o seu diploma.

Carla foi aprovada em dois exames da OAB, foi muito bem perante bancas examinadoras e mesmo assim a faculdade manteve a posição irredutível, não concedendo o diploma. Então a solução foi tentar busca meios judiciais para conseguir o referido diploma. Após três anos, uma coordenadora de Direito na Unip (Universidade Paulista) soube do caso e a convidou para fazer algumas provas e ver o nível de conhecimento de Carla. Com esta última tentativa, finalmente pode receber seu diploma e a tão necessária inscrição na OAB.

“Quando o professor percebe que o aluno não comparece nas aulas, mas vão para festas, os mestres perdem o interesse em colaborar. São os que queriam servir a Jesus, mas se deixam levar diante da pressão”, explica Alcides Coimbra, líder de Liberdade Religiosa para o estado de São Paulo. Coimbra ainda destaca que Carla é um exemplo de fidelidade. Mesmo sofrendo por três longos anos, hoje além de receber seu diploma, trabalha na Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e continua dando seu fiel testemunho de que Deus não desampara aqueles que confiam nEle.

Medicina - Mas não é apenas os estudantes que enfrentam desafios como esse. A dificuldade dos profissionais da área de saúde para guardarem as horas do sábado tem sido uma preocupação de muitos líderes adventistas, como é o caso do médico Dorival Duarte, responsável pelo Hospital Adventista de São Paulo.

Após um encontro de profissionais das áreas biomédicas que foi realizado em 2009, o médico percebeu a dificuldade dos profissionais que não atuam em instituições adventistas tem para observar o sábado. “No Hospital Adventista, nós realizamos culto todas as manhãs, temos serviço de capelania para paciente e funcionários. No sábado, realizamos apenas procedimentos emergenciais”, descreve.

Para fortalecer a observância do sábado, parte dos funcionários do Hospital Adventista participa de um programa que acontece uma vez por mês e é chamado “O HASP vai à Igreja”. Através desse projeto, um grupo do Hospital visita uma das igrejas da capital, onde participam de cultos.

“No sábado à tarde, dedica-se parte do tempo para determinar a ‘idade da saúde’ das pessoas. Medimos a pressão arterial, determinamos glicemia e as pessoas respondem um questionário sobre hábitos do estilo de vida”, aponta Dorival. Ele ainda lembra que os médicos do Hospital apresentam palestras sobre saúde e um conjunto musical de funcionários (MusiHasp) participa durante todo o sábado com músicas especiais. [Equipe ASN, Suellen Timm]